Dama do Intendente


Um Homem desfocado. Uma Mulher desperta. Um vazio transbordante e dois dedos de conversa são o mote para uma relação indefinida que vem de tão longe que acaba por fazer parte de nós. Durante uma ou tantas noites num quarto, o Homem e a Mulher sofrem da sede de viver que leva ao desespero próprio dos que se sentem com todos os poros da pele. Bebidos que ficam os corpos, acende-se o rastilho, ficando para o fim o sorriso cúmplice dos que sabem que tudo isto que somos não se explica… vive-se. Vive-se até que a morte nos separe. Ou era Sábado?… O que fazemos com tudo isto?… Um texto com diálogos tortuosos e embates sexuais que dominam a cena.


Texto: Marcelo Pedreira

Encenação e Cenografia: António Terra

Interpretação: Sandra Roque e Tiago Fernandes
Desenho de luz: António Terra e Ricardo Ladeira
Desenho gráfico: Ricardo Ladeira
Imagem e Edição vídeo: Amadeu Lopes
Fotografia: Inês Torres da Silva
Assistente de produção: Sara Pais

<<Voltar