Dona Margarida



Uma professora/tirana faz do público a sua turma de jovens de quinze anos. Dá-lhes uma bizarra aula de biologia em que o tripudiar da sua ditadura só se iguala à insistência com que procura seduzir.

D. Margarida não tem limites: nem para o furor da 'glória de mandar' nem para um apetite sexual que atropela quaisquer resquícios de moral que ainda possam substituir. Nós, o público transformado em alunos, não estamos de volta à escola nem á nova morte da democracia: estamos em toda a parte em que a prepotência faz o jogo de impor e desejar.


Texto: Roberto Athayde
Encenação e Espaço cénico: António Terra
Interpretação: Sandra José
Figurino: Pedro Eleutério
Desenho de luz: António Terra e Ricardo Ladeira
Design gráfico: Designit e Ricardo Ladeira
Cenotécnica: Ricardo Ladeira
Produção executiva: Gonçalo Lello
Produção: Companhia de Actores

<<Voltar